Devocional: O Pai e Eu

Devocional: O Pai e Eu


16411699_s
Muitas são as lutas do dia a dia, mas como nos blindar contra as tentações? Como nos manter firmes perante tantas dificuldades?
A passagem abaixo é relatada nos quatro evangelhos (de formas diferentes), mas gosto da maneira resumida como Marcos a descreve, principalmente para estudarmos à luz deste tema. Marcos 1. 11-13 (NTLH) diz:
11  E do céu veio uma voz, que disse: —Tu és o meu Filho querido e me dás muita alegria. 12  Logo depois o Espírito Santo fez com que Jesus fosse para o deserto. 13  Jesus ficou lá durante quarenta dias, sendo tentado por Satanás. Ali havia animais selvagens, e os anjos cuidavam de Jesus.

Uso a minha imaginação e monto esta cena, dentro das minhas limitações. Que cena gloriosa, após o batismo de Jesus, os céus se abrem e se ouve uma voz dizendo: “Tu és o meu Filho querido e me dás muita alegria”.
Você já imaginou se algo assim acontecesse com você? Você ouvir, em alto e bom som, o Pai dizendo que você é a filha querida Dele e que você dá muita alegria a Ele?
No livro dos Provérbios 15.20a, lemos: “O filho sábio dá alegria ao seu pai…”. Para darmos alegria ao nosso Pai, temos que ser sábias. Mulheres dispostas a buscar a Deus todos os dias para aperfeiçoar o caráter, eliminar os maus hábitos e adquirir práticas que encherão o nosso Pai de orgulho.
O pai que tem um filho correto e sábio ficará muito feliz e se orgulhará dele.
Provérbios 23.24
Não sei como foi sua criação, se você teve um pai presente ou não, mas o Pai Celestial, aquele que te criou e formou quando sua mãe nem sabia ainda da suas existência, esse Pai lhe ama e deseja se relacionar com você. Ele quer cuidar de você, quer aquecer o seu coração e declarar aos quatro cantos da Terra que ele tem alegria em você.
Outro fato interessante da passagem de Marcos que citamos no começo é que após essa afirmação sobre Jesus, vinda do próprio Pai, Ele é levado ao deserto (pelo Espírito Santo) a fim de ser tentado por Satanás. Jesus precisava passar por esse teste e ser aprovado. Foram quarenta dias no deserto. E o escritor afirma que “…Ali havia animais selvagens, e os anjos cuidavam de Jesus”.
O deserto, obviamente, não era um lugar confortável, havia animais selvagens e sabe lá quais outros perigos. Mas os anjos cuidavam de Jesus. Na versão Almeida Revista e Corrigida este verso está assim: “E vivia entre as feras, e os anjos o serviam”.
Dizer que havias animais selvagens no local é uma coisa, dizer que Jesus vivia entre as feras é muito mais forte. Algo como Daniel quando estava na cova com os leões. (Daniel 6.16-23) Isto me traz ao coração que independente do que eu passo, o Senhor, como Pai amoroso e cuidadoso que é, envia anjos que cuidam de mim.
Satanás usou o argumento dos anjos para tentar Jesus.
Então disse: —Se você é o Filho de Deus, jogue-se daqui, pois as Escrituras Sagradas afirmam: “Deus mandará que os seus anjos cuidem de você. Eles vão segurá-lo com as suas mãos, para que nem mesmo os seus pés sejam feridos nas pedras.”
Mateus 4:6
E Jesus responde dizendo que não devemos por o Senhor a prova (v.7). Mas o fundo desta resposta é que o Senhor sabia que já estava sendo cuidado. Que não precisava pedir algo que ele já tinha. Sabia que se preciso fosse, Deus enviaria o socorro no momento certo.
É esta certeza que devemos ter todos os dias da nossa vida, independente da situação. Jesus sabia que aquele ainda não era o tempo da sua morte (não que Ele a temesse), Ele sabia qual era o seu propósito, quem O tinha enviado e como vencer as tentações.
Que possamos usar este exemplo de Jesus todos os dias da nossa vida. Nos relacionando com o Pai, gerando alegria Nele e confiando que Ele cuida de nós independente das circunstâncias.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...